Alteração do móbile e introdução das rocas

Alcançadas as 12 semanas do Vicente, chegou também a altura de fazer mais uma alteração no móbile. A descoberta das mãos leva a que o mesmo se constitua de elementos que proporcionam a experiência o mais rica possível: elementos de cores essencialmente primárias, de madeira, que produzem som aquando em movimento e que incluem argolas. Estas argolas visam ajudar a que o bebé perceba que a mão pode agarrar e manipular objectos. Uma delas, é pendurada com fio elástico, que fará com que, a determinada altura, ele consiga levá-la à boca, aumentando a qualidade da experiência sensorial.

IMG_4966.JPG

 

Simultaneamente com a introdução do móbile, as rocas aparecem agora com especial destaque. Na verdade, em breve, irão mesmo substituí-lo, constituindo então a principal ferramenta sensorial de exploração do mundo.

O bebé descobre que aquela sensação física nas suas mãos está relacionada com as formas e movimentos que ele está a ver. Gradualmente, vai desenvolvendo uma coordenação entre a visão, o toque e o som. Vai sentido e vendo que os diferentes movimentos com a roca se refletem em sons variados: alto e baixo, agradável e incomodativo. Experimenta também as diferenças na temperatura e textura: a madeira e o metal, por exemplo, são lisos e suaves e o metal é mais frio do que a madeira. Descobre, além disso, a relação entre peso e dimensão: materiais do mesmo tamanho, mas feitos de materiais diferentes, podem variar no peso. E por aí em diante…

A determinada altura, o bebé atinge então um ponto em que já descobriu as diferentes capacidades das suas mãos e não só já ganhou a habilidade para obter informação através delas, como aprendeu a usá-las para manipular o ambiente que o rodeia. Está, agora, preparado, para explorar objectos pela casa fora 🙂

No caso do Vicente, as primeiras rocas (de madeira) foram apresentadas aos 2 meses. Ficava muito atento quando eu ou o D as agitávamos e, com ajuda, conseguiu até, numa ou outra vez, segurá-las (porém, sem qualquer intenção).

Agora, quase com 3 meses, já manifesta vontade de as agarrar e capacidade para o fazer por si só, movendo-as bruscamente (como se espera de um bebé desta idade) e batendo com elas na cara, ficando sempre surpreendido com os sons obtidos e com o impacto que, por vezes, chega a magoar!

Está a ser delicioso assistir a esta evolução tão grande, num espaço de tempo tão curto! O Vi está a crescer a cada dia e uma coisa que quero muito enquanto mãe, é nunca me arrepender por ter deixado escapar uma etapa importante sem lhe ter dado o devido valor. E todas as etapas o são! E eu e o D estamos aqui, a desfrutar e a viver em conjunto cada uma delas 🙂

 

Até já!

Joana

 

 

 

Montessoriando pelo IKEA

Sabem quando as opções mais simples estão à porta de nossa casa e nem nos apercebemos disso? Senti isso com o IKEA, enquanto procurava por soluções “montessorianas” para o quartinho do Vi, fossem elas brinquedos, mobiliário, decoração…

Aproveitando uma visita durante esta semana à loja, dediquei uma parte do tempo a fotografar, para formar um pequeno álbum dessas opções, seja para vos dar a conhecer, seja para nós próprios nos lembrarmos do que lá existe quando pensarmos em adquirir mais qualquer coisinha 🙂 Na verdade, houve muito poucas zonas da área infantil que escaparam à objectiva!

 

  • Brinquedos

Como sabemos, a filosofia de Montessori privilegia a utilização de brinquedos com boa qualidade e de materiais naturais, ao invés dos de plástico, não apenas pela experiência sensorial mais rica, mas também porque a criança aprende a valorizar a beleza dos materiais nobres e a Natureza a partir da qual os mesmos são produzidos. Além disso, o tipo de utilização que se dá a um brinquedo de madeira ou tecido, por exemplo, deverá ser muito mais cuidada do que aquela que se pode dar a um qualquer objecto de plástico, sendo este quase indestrutível. E nós queremos ensinar as nossas crianças a serem cuidadosas no trato, seja consigo mesmas, com as pessoas/ animais/ natureza que as rodeia, seja com o ambiente e os materiais que o compõem.

O IKEA disponibiliza dezenas de brinquedos de madeira e tecido e alguns (poucos) de plástico, na verdade. Ainda assim, independentemente da matéria-prima, todos eles apresentam um propósito e podem beneficiar no desenvolvimento cognitivo e motor do bebé/ criança. Não encontramos na loja aqueles brinquedos multi-estímulos, de plástico, que entretêm a mente e nada acrescentam à mesma. Além disso, encontramos muitas réplicas realistas de uma série de artigos que são utilizados na vida real – loiças, mobiliário, peluches… tão importantes, principalmente até aos 6 anos da criança!

 

  • Mobiliário

Desde camas baixinhas para crianças pequenas, a cómodas adaptadas, móveis de arrumação, estantes e espelhos, no IKEA encontramos uma série de soluções para um quarto típico “montessoriano”. Além da quantidade de oferta, existe a vantagem da qualidade dos materiais (não é best, mas é muitíssimo aceitável para o tempo que vão servir) e do preço dos artigos, que é bastante baixo comparando com a concorrência e nos permite ter uma maior capacidade de desapego (não confundir com despesismo!) quando chegar a altura de substituir. O ex-libris, a meu ver, é a oferta de mesinhas e cadeiras pequenas – as opções são muitas e todas elas podem fazer sentido e ajustar-se a um determinado espaço/ contexto.

 

  • Artes/ artigos diversos

Também a secção de desenho e artes plásticas a loja nos oferece algumas opções – folhas texturizadas,  tintas acrílicas, aguarelas, canetas e lápis de cor, carimbos, marcadores… até aventais para proteção da roupa!

Além disso, foi com muita satisfação que encontrei elementos de utilização diária exactamente iguais aos dos adultos, porém, com o tamanho adequado para um bebé ou criança – neste caso, conjuntos de talheres, que era algo que procurava há algum tempo. Um dos desafios durante o crescimento dos nossos filhos, a meu ver, é justamente a introdução destes elementos “reais” que em nada facilitam a vida dos pais, mas que em tudo são fundamentais para o ganho de autonomia, responsabilidade pelas ações e coordenação motora, em particular dos movimentos finos. Incluem-se não só os talheres de metal/ aço, como também os pratos de cerâmica e os copos e jarros de vidro. Mais uma vez, os materiais de plástico não transmitem uma sensação real que induza a criança a desenvolver cuidado para com o ambiente que a rodeia.

 

Gostava, num dos próximos posts, de vos falar em soluções de outras duas lojas que, frequentemente, apresentam brinquedos e objetos muito adequados a ambientes pedagógicos. Revelar-vos-ei também a nossa wishlist de alguns artigos não tão fáceis de encontrar, mas que são utilizados em salas de aprendizagem Montessori e cuja importância e eficácia já é sobejamente reconhecida 🙂

 

Até já!

Joana

Produtos de higiene e fraldas

Não sendo uma entendida em puericultura (como aliás referi no post anterior) nem em cuidados mais específicos ao bebé recém nascido, optei por me informar online e pedir alguns conselhos a amigos e familiares que tiveram filhos recentemente. Bastou juntar tudo, adicionar a minha/ nossa própria perspectiva, algumas preferências pessoais, um ligeiro minimalismo e… Tchanan! 🙂 Eis o carrinho de higiene do bebezão (modelo RÅSKOG do IKEA):

IMG_2307

No primeiro nível, mais à mão, colocámos um cesto cinza também do IKEA (modelo PUDDA) com os produtos que irão ser utilizados no banho e nas mudanças de fralda. São todos da Uriage e vendidos  (quase todos eles) em pack, com uma mala de maternidade de oferta (não vamos utilizá-la como tal, porque encontrámos uma mais prática, mas terá certamente outras funções):

  • Água lavante – misturada com água corrente, numa proporção aproximada de 1:4, irá ser utilizada nas trocas de fralda, ao invés das toalhitas. Fazemos a mistura num doseador em spray e complementamos com compressas (não esterilizadas);
  • Leite hidratante corporal/ Creme muda fraldas/  Creme hidratante facial – não pretendemos utilizar de início, a menos que se revelem necessários;
  • Soro fisiológico esterilizado – servirá para, após o banho, higienizar a cara e a zona dos olhos, com ajuda de compressas esterilizadas;
  • Creme lavante – é o único que não vem incluído no pack. Tem função de gel de banho e champô e utilizaremos no banho diário.

Optámos pela Uriage por ter como base água termal e zero químicos nocivos nas composições… E pelo cheiro 🙂 Com o passar dos meses, creio que acabaremos por liberalizar um pouco mais a escolha de produtos.

Noutro cesto branco da Zara Home, colocámos:

  • Termómetro digital;
  • Cotonetes;
  • Kit de manicure (tesoura, corta-unhas e lima);
  • Escova e pente (soubemos que o Vi tem algum cabelinho, pelo que devem já constar no necessaire da maternidade) 🙂 ;
  • Porta-chupetas e duas chupetas Soothie Shapes, da Philips Avent – era preferível, para nós, que as chupetas fossem todas em silicone (pelo conforto para o bebé). Dessa forma, adquirimos estas e outras duas da Chicco, que permanecem “em armazém” e que utilizaremos caso haja alguma questão de adaptação. Possivelmente não introduziremos a chupeta logo no início, para que não interfira, de alguma forma, com a amamentação. Ainda assim, temos muito poucas certezas quanto a esta questão! Logo veremos…

Por fim, neste primeiro nível do carrinho, colocámos as compressas esterilizadas e as não esterilizadas (do Continente).

IMG_2308

O segundo nível terá apenas as fraldas descartáveis e um pacote de toalhitas que utilizaremos ocasionalmente. No caso das fraldas, optámos pelas Dodot Protection Plus Sensitive, baseados essencialmente em reviews de outras pessoas nos vários canais de venda. Certamente não nos tornaremos cegos fiéis a uma marca em particular, porém, nos dois ou três primeiros meses, seguiremos com esta. Já no que toca às toalhitas, uma vez que não pretendemos utilizar numa base diária, quaisquer umas que sejam menos “agressivas” e com menos componentes químicos servem.

IMG_2309

No terceiro e último nível, colocámos reservas de compressas esterilizadas, de toalhitas, de fraldas, de soro fisiológico esterilizado, de produtos de higiene (a maioria foi-nos oferecido) e as tais chupetas da Chicco que temos de backup.

IMG_2310

E é este o nosso organizador de artigos de cuidados ao bebé 🙂 Ficará sempre ao lado da cómoda/ trocador, bem como da banheira, que é dobrável e só a montaremos para o momento do banho.

IMG_2306

Por agora, e estando a meio da 37ª semana, vou dedicar-me à finalização da mala para a maternidade!

Até já!

Joana

A evolução do móbile

O meu primeiríssimo trabalho manual para o quarto do Vi foi o seu móbile evolutivo. Há, sem dúvida, opções  de móbiles muito apelativos no mercado, difíceis de resistir de tão bonitos que são, porém, se nos detivermos sobre a vantagem e utilidade que os mesmos trazem para o bebé, a resposta é simples: pouca ou nenhuma. São items que apenas embelezam o ambiente e agradam aos olhos dos pais e de quem o visita.

Se queremos oferecer ao nosso bebé um ambiente verdadeiramente enriquecedor, temos que pensar no propósito de tudo o que lhe oferecemos. O móbile, nos primeiros meses, é um elemento que o ajuda na progressão da sua habilidade para explorar visualmente o mundo. O bebé desenvolve, gradualmente, o foco em objectos em movimento, a procura por um objecto em particular e a percepção de cor e profundidade. Este móbile deverá, dessa forma, ser mudado a cada 2/3 semanas para permitir, por um lado, a habituação “àquele” móbile em específico e, por outro, o acompanhamento dessa constante progressão visual.

Com o mesmo propósito  sempre em vista – o desenvolvimento pleno do meu bebé – pus mãos à obra. Como suporte, ao invés de colocar um gancho no tecto do quarto, utilizei um móbile já existente do IKEA que permite ir substituindo o conteúdo e que ainda tem a vantagem de ser portátil, não ficando restrito à área da cama (ou não tendo nós que colocar múltiplos ganchos em várias zonas do tecto da casa!). Comecei por comprar umas palhinhas (de bebidas mesmo) em papel, onde os objectos viriam a ficar presos por um fio. Para que ficassem mais bonitas, revesti-as com linha de crochet:

IMG_E0981 copy

De seguida, passei para o primeiro móbile – o móbile Munari. É um móbile constituído por formas geométricas brancas e pretas, planas, e por uma esfera transparente onde a luz pode reflectir. Deve ser utilizado das 3 às 6 semanas de vida e as duas cores utilizadas são aquelas que o bebé consegue distinguir nesta fase – os dois limites sensoriais que o estimularão a focar a sua atenção ininterruptamente. As formas foram especialmente concebidas para que, primeiro que tudo, o bebé distinga aquelas que são rectas e, depois, as que são curvas.

Não encontrei uma esfera transparente na altura da sua execução, porém, um coração também transparente tomou o seu lugar sem problema. Total coincidência, semanas mais tarde, quando o trabalho já estava terminado, um familiar que vive fora e nos veio visitar ofereceu-nos, entre outras coisas, a dita esfera, com o pormenor da Sophie la Girafe dentro 😀 É claro que foi imediatamente adicionada!

 

O segundo móbile deverá aparecer entre as 6 e as 8 semanas e é constituído por 3 octaedros, em papel metalizado, com cores primárias.

São agora introduzidas as três dimensões, com cores que permitem uma maior organização mental ao bebé e num material que faz reflectir a luz, atraindo a sua atenção. Os octaedros, em particular, constituem uma remota base para futuros entendimentos de aspectos relacionados com proporções geométricas, relações e padrões.

Foi de simples execução – imprimi em papel branco autocolante a forma dos octaedros, recortei-os e colei-os em folhas holográficas das várias cores. Depois foi só dar-lhes forma, tendo o cuidado de introduzir o fio de linha antes do último passo da montagem 🙂

IMG_1431

Entre as 7 e as 9 semanas, chega a altura de introduzir uma nova componente que permitirá mais um passo no desenvolvimento visual do bebé: as variações subtis dentro da mesma cor. O móbile Gobbi é constituído por 5 esferas de lã/ linha (ou de esferovite coberto com lã/linha), num degradê, colocadas de forma ascendente, da mais escura para a mais clara.

Comprei meadas de vários tons de azul (não são todos do “mesmo azul”, mas o efeito pretendido não ficará comprometido) e transformei-as em pequenos novelos que ficarão presos, também eles, nas palhinhas que forrei.

IMG_1430

Segue-se o móbile dos dançarinos, ideal para as semanas 10-12. Este móbile apresenta-se sob a forma de figuras estilizadas, feitas em papel metalizado, que se movem facilmente com qualquer circulação de ar. Uma vez mais, o reflexo que a luz fará sobre o mesmo irá captar a atenção do bebé para estas figuras constituídas por 3 partes independentes – cabeça, braços e pernas – estimulando a sua percepção e habilidade de foco visual dinâmico e em profundidade.

Foi, sem dúvida, o de mais desafiante execução. Utilizei cartolinas, onde imprimi as figuras, recortei-as e colei-as (com cola baton) a papel holográfico azul e cinza, de um lado e do outro. Falta apenas comprar fio de pescador/ nylon para ligar as 3 partes de cada uma et voilà!

IMG_1433

Após as 12 semanas, e porque o bebé começa a ter um propósito e a querer alcançar os objectos com as mãos, podemos colocar uma ou mais argolas de madeira, com um fio elástico, de forma a que possam ser puxadas, colocadas na boca, largadas e alcançadas novamente. Com isto, promovemos a exploração táctil, a concentração, a coordenação motora bem como o início da relação cérebro-mão (uma das grandes bases de toda a experiência sensorial e aquisição de conhecimento por parte do bebé). Estas argolas devem ser bem lisas, de material seguro e com um tamanho que não permita que as mesmas sejam engolidas.

Nesta fase, além das argolas, irei colocar no móbile as peças que o original do IKEA trazia – sólidos geométricos, em madeira, com cores chamativas 🙂

IMG_1432

Com isto, terminamos a saga “móbiles” e, gradualmente, começam as rocas a ganhar o papel de destaque no período de desenvolvimento seguinte. Como referi antes, o conceito de relação cérebro-mão começará a ser abordado nesta fase e dele falaremos com todo o cuidado e pormenor merecidos.

Até breve!

Joana

 

 

O espelho

DCSN7442

Ao mesmo tempo que projectámos a caminha no chão do Vi, procurámos logo por soluções de espelhos para colocar ao lado da mesma.

O espelho tem um papel fundamental nos primeiros meses de vida do bebé. Ele observa-se, observa os seus movimentos e os movimentos das outras pessoas. Ainda desde a sua posição na cama, pode ver tudo o que tem a ver consigo e com a sua imagem, sendo estimulada a sua curiosidade, interesse e consequente oportunidade de movimento propositado do corpo.

A confiança que queremos que o bebé ganhe com a circulação livre pelo quarto pressupõe que este, primeiro que tudo, desenvolva um conhecimento acerca da área. O espelho permite, então, uma experiência visual da mesma, mesmo antes de o nosso filho conseguir mover-se nela.

Quando está deitado de barriga para baixo na sua cama, além do fortalecimento muscular que vai ganhando no pescoço e tronco (veremos em posts posteriores a enormíssima importância disto!), poderá, através do espelho, ganhar uma percepção ainda maior das distâncias, criar um “mapa interno” com noções corretas do espaço e “pontos de referência” que o irão guiar quando o mesmo se deslocar para o explorar.

Por uma questão de segurança, acabámos por optar por uma série de espelhos acrílicos sem cantos, do IKEA, colocados lado a lado. É uma solução que normalmente está esgotada na loja (todo o mundo quer estes espelhos?!), porém, após 2 ou 3 meses de espera, lá estavam eles 🙂

Uns meses mais tarde, assim que o Vicente começar a querer colocar-se de pé, os espelhos passarão para a parede oposta à da cama, onde será igualmente colocado um varão/ corrimão para que ele se ampare. Falaremos dessa fase a seu tempo 🙂

Até breve!

Joana

Ps. Já há cobertura da cabeceira da cama! 🙂 🙂 🙂 cinza, como não poderia deixar de ser!