Visitas à maternidade e amamentação

IMG_2391

O nascimento de um bebé desejado é sempre um motivo de felicidade e festa para os pais, em especial, e para toda a extensão familiar. Todos o querem conhecer, pegar nele, e dar-se igualmente a conhecer. Os quartos das maternidades transformam-se, como tal, em salas de estar de quem, ali, vai tendo vontade de ficar, e ficar e ficar…

Compreensível, até certa parte, porém, descolemo-nos daquilo que é “comum” e concentremo-nos no real interesse e necessidade do bebé. Não estaremos a pensar mais em nós próprios do que nele quando lhe impomos a presença de um excessivo número de pessoas logo após nascer? Respondam, para vocês mesmos, a esta pergunta, mas não caindo em desculpas emocionais! 🙂 Elas não nos permitem afastar o nosso egocentrismo.

O momento do nascimento é um turbilhão de novas emoções para a mãe e para o pai, e de novas sensações para o bebé. Este abandona o ambiente calmo, consistente e previsível intra-uterino e experimenta uma série de novos estímulos, os quais, de todo, ainda não consegue compreender. São poucas as âncoras que o podem ligar a um ambiente psíquico seguro – a presença da mãe, do pai e a amamentação. O bebé não precisa de mais nada nos primeiros dias de vida. E é nisto que eu e o D queremos estar focados.

Como tal, decidimos que as visitas à maternidade serão exclusivas aos familiares mais próximos e a um número muito limitado de amigos chegados. O tempo de cada visita também será curto, no sentido de influenciar o mínimo possível a rotina que estaremos, muito preliminarmente, a tentar estabelecer. Pessoas menos chegadas ao Vi terão muito tempo para o conhecer, sem que tenhamos que precipitar o excesso de estímulos à volta dele, em especial nesta fase que deverá ser o mais serena possível e durante a qual o bebé já conta com os mais diversos desafios.  🙂

Possivelmente, se pensasse neste assunto há 1 ou 2 anos atrás, sentiria que estávamos a adoptar uma postura demasiado pragmática. Talvez na altura ainda não estivéssemos preparados para assumir uma educação consciente e que respeita as necessidades do bebé, desde o 1º dia. Devemos ter sempre em mente duas palavras e questionarmo-nos acerca delas: “Contribuir ou Contaminar“? A resposta e resultado das nossas acções e decisões deverá ser sempre “Contribuir“. Contribuir, neste caso, para o desenvolvimento pleno do Ser Humano que está prestes a chegar.

É também na maternidade que começamos a trabalhar a rotina da amamentação, sendo necessário (uma vez mais) espaço e tempo, em exclusivo, para tal. Sem fundamentalismos, sou defensora da mesma até (pelo menos) aos 6 meses. Acredito profundamente nos benefícios físicos e, muito em particular, nos emocionais. O vínculo e a segurança gerados neste momento de intimidade e partilha entre mãe e bebé só podem favorecer o seu crescimento pleno. Sabendo que demora cerca de 8 semanas até que o ritmo do aleitamento esteja estabelecido e seja confortável para ambos, quanto mais nos dedicarmos e nos empenharmos em superar a fase inicial de adaptação, mais prazeroso certamente será, não caindo (como tantas vezes acontece) no erro do abandono desta prática tão precocemente.

Maria Montessori fala em dois períodos embrionários – o Pré-Natal (antes do nascimento) e o Pós-Natal (após o nascimento e até aos 3 anos), sendo este último uma fase da vida embrionária construtiva, em que o bebé precisa de amor, acolhimento e de uma necessidade física (aleitamento) satisfeita logo quando nasce, num ambiente muito especial – o colo materno. O aleitamento aparece assim como “uma necessidade subconsciente da mãe dar ao seu filho o auxílio de um completo ambiente social que lhe determine o desenvolvimento. (…) Assim sendo, a nutrição da criança e o amor que une as duas criaturas, soluciona o problema da adaptação ao ambiente de um modo natural“. (“The Absorbent Mind“).

Não deveria esta prática ser mais valorizada pelas mães dos tempos de hoje?

Até já!

Joana

A caminha no chão

Consideremos um quarto “normal” de recém nascido. O que encontramos?

Normalmente tem um berço/ cama de grades, um trocador, talvez uma cadeira de amamentação para o adulto… a sensação que temos, desde logo, é a de se trata de um espaço onde o bebé não faz muito mais além de dormir. E quando não o está a fazer, é levado para locais mais movimentados da casa. Já repararam que este bebé não tem a oportunidade de passar tempo acordado no seu próprio espaço, de ficar sozinho no mesmo, nem de trabalhar a sua capacidade de foco e concentração, sem que seja distraído por outros estímulos? Para que tal possa acontecer, é necessário o ambiente certo, aquele que vai de encontro ao seu nível de desenvolvimento, naquele momento, e este quarto que comummente encontramos não é exemplo disso.

Já um quarto típico “montessoriano” fornece tudo aquilo que procuramos para tal. É um quarto com cores neutras, bonito na sua simplicidade, que transmite calma, com o máximo de luz natural possível, com lâmpadas de cores quentes/ amareladas e com detalhes e alguns brinquedos (não muitos), esses sim, com cores mais vibrantes. É um quarto cujo mobiliário não tem um preço demasiado elevado e que facilmente pode ser “transformado” para acompanhar os vários estadios pelos quais o bebé vai passando.

Divide-se, logo à partida, em quatro áreas distintas, cada uma com fundamental importância:

  • Dormir
  • Vestir/ trocar fraldas
  • Amamentação
  • Actividade

E hoje vamos centrar-nos na área do dormir.

O elemento mais conhecido por quem conhece e até quem não conhece o método de Montessori é, sem dúvida, a cama do bebé, que se apresenta no chão, permitindo-lhe o movimento ilimitado.

Já aparecem no mercado várias caminhas deste género, até em forma de casinhas (aliciantes no aspecto, claro…), porém, o que se pretende verdadeiramente é um tão-simples colchão no chão, sem elementos que possam constituir perigo e magoar o bebé quando este se movimentar e um tapete (ou outra opção adaptada) que amorteça os poucos centímetros de “queda”, que é colocado imediatamente ao lado. Este colchão, idealmente, é colocado num dos cantos do quarto, ficando apenas com dois dos lados “abertos” à sua deslocação.

As camas de grades a que estamos habituados apareceram com o objectivo de “proteger” o bebé dos perigos da casa, porém, na verdade, podem elas sim constituir um perigo quando o mesmo tenta sair e trepar as laterais – a queda, nesse caso, não é de poucos centímetros… Também a passagem de uma cama de grades para uma cama normal de criança se revela mais dificil do que passado de uma cama no chão e estando já acostumado ao facto de não existirem barreiras que circunscrevem o espaço e impedem a queda.

Para o quarto do Vi, procurámos um estrado simples o suficiente para ser fácil de colocar directamente no chão e um colchão evolutivo (o melhor possível, que neste tipo de coisas não gostamos de descurar na qualidade nem de olhar a preços), que colocámos por cima. Este colchão evolutivo (do IKEA) é constituido por 3 partes – a maior (o colchão propriamente dito) e duas mais pequenas, que vamos juntado com um sistema de fixação, à medida que a criança cresce, e que se ajustarão posteriormente a uma grande oferta de camas baixinhas que a mesma loja oferece. Como inicialmente só precisamos da parte maior do colchão, guardámos uma das outras e a terceira aproveitámos para fazer a cabeceira da cama (poderão ver na foto). Para que esta cabeceira fique com um acabamento mais bonito, comprámos um tecido ao nosso gosto (e a condizer com o quarto) e entregámo-lo às mãos de uma costureira para fazer uma forra – depois fotografo novamente quando estiver tudo pronto 🙂

Depois precisámos apenas de adquirir lençóis com elásticos, um sobrecolchão impermeável e, para tapar o bebé, utilizaremos apenas um edredon revestido por uma capa (há que ter cuidado com a utilização de edredons devido ao sobreaquecimento durante a noite! O ideal será colocar uma almofada grande nos pés da cama, por dentro do edredon, de forma a que o bebé não se possa “afundar” para dentro do mesmo). No verão, dormirá apenas com a dita capa do edredon por cima.

Ao lado da cama, e a revestir metade da área do quarto, colocámos um tapete de espuma (daqueles tipo puzzle), que amortecerá eficientemente todas as quedas. Aconselho-vos, na escolha de uma solução deste género, a terem muito cuidado com os componentes utilizados no fabrico dos mesmos. Quase todos eles têm químicos que podem ser nocivos para o bebé e o risco de sufoco é uma realidade! Nós optámos pelo único que encontrámos no mercado sem qualquer químico na composição, nem quaisquer riscos para o bebé – o Skip Hop Playspot Geo Kid Foam Tiles. Não estava disponível em qualquer loja física em Lisboa, mas facilmente o adquirimos online.

Et voilà, o Vi já tem um espaço de dormir seguro para o receber após os primeiros meses em que, durante a noite, ficará no nosso quarto, num bercinho pequeno que adquirimos para o efeito 🙂

Attachment-1 copy

 

Até breve!

Joana

O quartinho…

Há cerca de 1 ano atrás, sentimos que havia chegado o momento de pensarmos muito seriamente num novo projecto a dois: sermos pais. As condições estavam praticamente reunidas e queríamos apenas utilizar o primeiro semestre de 2017 para ultimar preparativos que dificilmente seriam concretizáveis de uma forma tão eficiente depois.

Aumentando, inevitavelmente, o interesse por “bebés e crianças” nesta fase em que já estava focada naquilo que se viria a suceder, deparei-me com o método de Montessori. Explorei (primeiramente, de forma superficial) um pouco mais sobre ele e senti, de imediato, que seria o caminho que gostaria de seguir assim que fosse mãe. E logo quis saber mais. Aproveitando o privilégio de ter a profissão que tenho e o que a mesma me permite – viajar mundo fora – coletei alguma da melhor bibliografia acerca do tema, em vários locais por onde fui passando, e os meus livros de cabeceira viraram-se totalmente para este tema.

Na verdade, nunca fui pessoa de fazer algo ou tomar decisões importantes de ânimo leve. O “fazer por fazer” e o “logo se vê” nunca foram para mim. E na educação de um filho, muito menos. Ainda que a intuição e algum empirismo tenham o seu lugar bem estimado, penso que, quanto mais entendermos, nos interessarmos e explorarmos determinado assunto, mais capazes seremos de desempenhar o nosso papel de forma competente.

As leituras e pesquisas foram evoluindo e, claro, quis mais. Lancei-me na formação online e, desde então, alguns cursos/ workshops passaram a complementa-las.

Entretanto, aí pelo meio, apareceu o Vicente 🙂 🙂 🙂 🙂

Dado o timing e tudo aquilo que, até então, já sabia sobre o método (e que o D – meu marido – também foi sabendo por osmose e, claro, concordando), rapidamente começámos a idealizar o quartinho de bebé. Lançámos “as mãos na massa” no início do 2º trimestre da gravidez, já com as principais decisões absolutamente tomadas.

Falemos, então, da primeira delas: a perspectiva do bebé e a escolha do mobiliário principal.

Como falámos no post anterior, um dos principais princípios do método de Montessori é o ambiente preparado. É este ambiente que vai permitir o desenvolvimento pleno do bebé, proporcionando-lhe a oportunidade do movimento livre e seguro, promovendo a autonomia e confiança nas suas capacidades. Ora, nada mais importante do que um quarto que corresponda a este princípio. Para tal, a primeira decisão que tomámos foi a de que todo o mobiliário destinado à utilização do Vicente estivesse à altura do seu alcance, de forma a que, por exemplo, não fosse necessária a nossa intervenção para retirar brinquedos da estante ou, até, para que este saísse da cama!

Obviamente não estamos a falar de algo que vá ser posto em prática nos primeiros meses de vida, porém, a existência deste ambiente logo desde o nascimento é fulcral para a vivência e ligação que, rapidamente, o bebé vai criar com o seu espaço. Não esquecer que o sentimento de segurança se começa a trabalhar no 1º dia! 🙂

Attachment-1

Mais pormenores sobre cada elemento do quarto ser-vos-ão dados em breve!

Até lá!

Joana